01/11/2019

Depoimento - Novembro

Gisele Aparecida da Silva, 34 anos, São João Nepomuceno/MG

Depoimento - Novembro

Conheci a droga dentro de casa, minha mãe era usuária. Venho de uma família simples com três irmãos. Por causa da vida desestruturada pelo uso das drogas, engravidei aos 16 anos da minha filha Mila. Fiquei muito confusa, não sabia como lidar com tudo isso. Mesmo assim, não tinha forças para parar. O vazio de uma vida sem sentido tomava conta de mim e, com 23 anos, eu tive meu segundo filho Thiago. Mesmo sentindo a alegria de ter gerado duas vidas, as drogas não me deixava assumir o papel de mãe. E, aos 24 anos, cheguei ao fundo do poço, me entreguei ao crack.

Para sustentar o meu vício fiz pequenos delitos. Fui presa. Na prisão, experimentei um verdadeiro abandono, me senti sozinha. Mas, foi lá que eu conheci um anjo, um jovem da pastoral carcerária, que me acompanhou no período que estava presa e quando saí ele me apresentou a Fazenda da Esperança. Neste momento, queria mudar de vida, não aguentava mais sofrer e aceitei a proposta de recuperação!

Quando cheguei na Fazenda me deparei com algo novo, a vivência da Palavra... acordávamos cedo todos os dias, rezávamos o terço e meditávamos a Palavra, cada dia escolhíamos uma frase para viver no dia e isso mudou a minha vida! Aquela Gisele marrenta, encrenqueira, revoltada e sem esperança foi indo embora e começou a surgir uma Gisele nova! Uma Palavra que me ajudou muito foi: quem põe a mão no arado e olha para trás, não é digno do reino de Deus (Lc 9,62). Mesmo lembrando a todo o momento da minha mãe e dos meus filhos, que havia perdido a guarda, sofria com isso, sabia que não poderia voltar atrás. Tive muitas dificuldades no meu período de recuperação, mas a Palavra me ajudou a ir em frente e não desistir.

Quando terminei meu ano de recuperação, Deus me deu um presente. A guarda dos meus filhos e como ele não se deixa vencer em generosidade, minha mãe aceitou ajuda e veio se recuperar na Fazenda.

Fazem sete anos que vivo essa vida nova, meu filho vive comigo dentro da Fazenda, a Mila está como voluntária na Fazenda de Villa Quilino, na Argentina, minha mãe na Fazenda de Abaetetuba/PA , também é voluntária, estamos todos crescendo neste clima de amor. Minha família foi restituída!

Sou muito grata a todos da Fazenda por me ajudarem a seguir esse novo caminho, que me devolveu a vida. Saí das garras do inimigo direto para os braços de Deus!

 

 

Facebook Fazenda Esperança Twitter Fazenda Esperança Instagram Fazenda Esperança Redes Sociais

Rogai por nós! Nossa Senhora Aparecida #FazendadaEsperanca #SantodoDia

Uma publicação compartilhada por Fazenda da Esperança (@fazendaesperanca) em